Pular para o conteúdo principal

O que estaria por traz do assassino da missionária Francisca



O que leva alguém que utiliza uma Bíblia, fala de Jesus, ora, prega e frequenta uma igreja a cometer um crime de uma barbaridade sem precedente? Essa pergunta está na mente de milhares de pessoas. Eu procurei algumas informações sobre esse elemento para tentar entender e resolvi escrever sobre um dos mais tristes fatos da história da nossa cidade. Quando ouvi a missionária cantar em seu facebook um lindo hino aí é que aumentou minhas indagações.  
Segundo me informei, Ricardo, o assassino confesso, teria tido uma infância conturbada. Ainda criança teria sido desprezado pelos pais. Fora criado pela avó e ainda jovem teria enveredado pelo mundo das drogas e do tráfico. Depois teria se “convertido” lá pra bandas de Santana do Araguaia e depois que começara a frequentar a igreja criara um testemunho, que ninguém sabe até onde procede, de que teria tido epilepsia e que fora curado na igreja.
Em Redenção depois de passar por algumas congregações, já casado, frequentava uma congregação em um bairro da cidade. Segundo informações, conhecia há um bom tempo a missionária Francisca. Ela teria dado guarida para ele em seus momentos difíceis e até o teria ajudado financeiramente. Dizem que ele dizia que ela era como uma mãe pra ele.
Na noite do crime, Ricardo teria dito para a esposa que iria para o monte orar. Retornaria por volta da quatro da madrugada depois de praticar o crime. Teria dito para seu cônjuge que escorregara no monte e teria se ferido. Teria lavado a roupa ainda na madrugada e, certamente, arquitetado uma maneira de escapar ileso. Mas por quê? Ricardo vivia fazendo bicos. Uma diária aqui, outra acolá. Mas ao que parece, tinha ambições elevadas. Uma proposta de cinco mil reais certamente soaria bem aos seus ouvidos.
Alguém exclamou, como pode! Tirar a vida de alguém por cinco mil reais. Tão pouco! Na verdade uma vida não tem preço. Imagine duas. A Joanice acabou sendo a segunda vitima. Quem conhecia o criminoso garante que jamais imaginaria que ele fosse capaz de praticar tamanha atrocidade. Parecia verdadeiramente ser um homem preocupado com a vida espiritual. Isso é que nos deixa  assustado.

Mas vamos lá. O fato de esse psicopata ter feito o que fez não coloca em descredito a palavra de Deus em hipótese nenhuma. A Bíblia fala do lobo vestido de ovelha. No meio dos doze discípulos, que andavam diariamente com Jesus, havia um que o trairia. Nem por isso a religião cristã deixou de seguir o legado de Jesus. Do ponto de vista humano é difícil de aceitar o fato. Mas não podemos permitir que um episódio desse abale nossa fé. Deus existe e é Amor e Justiça. Um dia entenderemos, mas por enquanto temos que manter nossa fé viva. Satanás no deserto usou a Bíblia para tentar Jesus. O psicopata usava a Bíblia para esconder seu instinto maligno. Que Deus nos livre. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“Fui embora de Redenção porque fui perseguido e temia pela minha vida” Revela professor

Em entrevista exclusiva ao JL & Você o professor, José Alves Lordeiro, autor da letra e da melodia do Hino Oficial de Redenção, fez várias revelações inéditas sobre sua passagem pelo município. Ele está morando atualmente em Macapá capital do Amapá e, aos 67 anos, alimenta o sonho de voltar a morar em Redenção. Ele também falou como criou a letra e a melodia do hino do município redencense.
JL & VC: Como foi o processo para o senhor compor o hino de Redenção?
José Lordeiro: Em 1983 foi lançado um concurso para escolher o Hino de Redenção. Foram apresentadas 06 composições e a de Minha autoria acabou sendo a escolhida.
JL & VC: O que o inspirou na composição da letra e da melodia?
José Lordeiro: Como inspiração levei em conta: a população da época, era predominantemente de outros Estados, os neo bandeirantes, as riquezas eram a madeira- hulha verde, o ouro - nobre metal; a força do comércio fundindo-se à indústria; por fim a segurança do futuro representada pelos jovens estudan…

"Eu seria o melhor prefeito de Redenção" garante autor da primeira assinatura

Quando utilizou uma caneta para assinar o nome na primeira linha de um dos mais importantes documentos da história de Redenção, o empresário, contador e político, Mariosval Dueti Rezende Silva, talvez nem tivesse a intenção de um dia pleitear o cargo de prefeito de Redenção.   Mas além de ser o autor da primeira assinatura no Abaixo-assinado que foi fundamental para que Redenção fosse emancipada em 13 de maio de 1982, vale ressaltar que Dueti, foi quem redigiu o documento que fora assinado por Luiz Vargas e ele mesmo saiu às ruas para coletar assinaturas dos moradores. Posteriormente ele entrou para a história do município como vereador, e alguns anos depois como prefeito eleito do município filho de Redenção, Pau D’Arco. Na ultima eleição Mariosval disputou a prefeitura de Redenção. Em seu discurso ele garantia que seria o melhor prefeito da história do município. Ele baseava seu discurso na administração positiva que fizera no município vizinho, Pau D’Araco, principalmente na área da …